Buscar

A TELEMEDICINA EM TEMPOS DE PANDEMIA

Dr. Giovani Jaguszewski é Médico, graduado pela Universidade Federal de Rio Grande [Rio Grande- RS], com Pós Graduação em Psiquiatria pela UNINGÁ [Maringá- PR] e em Medicina do Trabalho pela FURB [Blumenau- SC].



Dr. Giovani Jaguszewski

Atualmente, todas as atenções estão voltadas ao novo Coronavírus, pandemia que desde novembro tem tomado grandes proporções, até que em fevereiro chegou ao Brasil, fazendo com que entrássemos em isolamento social e, com isso, mudássemos nossos hábitos, inclusive o de visitar o médico rotineiramente. Devido ao Covid-19 e ao alto número de tratamentos nos hospitais, sejam eles particulares ou públicos, e a necessidade de atenção aos infectados, as pessoas com outros problemas de saúde, infelizmente, não são atendidas até mesmo por questão de segurança.


Devido a essa realidade, muitos pacientes têm recorrido a alternativas de atendimento, pois além do Coronavírus, temos outras doenças respiratórias que são bastante comuns entre o outono e o inverno como bronquite, asma, rinite e sinusite assim. Além disso, existem as doenças que aumentam o risco do paciente desenvolver formas mais graves dessas infecções, inclusive pela Covid-19.


Sabendo disso, podemos concluir que as pessoas que tem alguma doença prévia, devem procurar auxílio médico urgentemente. Porém, como o atendimento médico hospitalar tem sido concentrado no tratamento dos pacientes com Covid-19, havendo uma redução substancial dos atendimentos ambulatoriais pelo isolamento social, tornou-se necessário e urgente considerar outras formas desses pacientes alcançarem atendimento médico.


A teleconsulta, por mais que seja regulamentada desde 2002 no Brasil, ainda não era uma alternativa popular entre os pacientes e médicos. Ainda assim essa prática vem crescendo devagar, mas constante, pois têm benefícios inegáveis como não precisar de grandes deslocamentos e apresentar um custo benefício interessante, pois em muitos casos, o atendimento remoto é comprovadamente mais acessível.


A pandemia e o isolamento social estão acelerando nossa adaptação a essa nova forma de ajudar as pessoas. Durante o atendimento remoto é responsabilidade do médico avaliar se haverá necessidade de atendimento presencial. Existem condições de saúde que o exame físico é muito importante para se definir a conduta. Nesses casos, caberá ao médico orientar como o paciente deve fazer, se deve ir a um pronto socorro ou até o consultório. Porém, boa parte dos problemas, conseguimos entender e ajudar sem estarmos próximos fisicamente.


Hoje inúmeros hospitais, consultórios e planos de saúde trabalham com atendimento remoto com seus pacientes e o investimento em tecnologia só tem aumentado, empregando os seguintes serviços: Teleorientação: para que profissionais da medicina realizem à distância a orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento; Telemonitoramento: ato realizado sob orientação e supervisão médica para monitoramento ou vigência à distância de parâmetros de saúde e/ou doença. Teleinterconsulta: exclusivamente para troca de informações e opiniões entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico.


A prática é tão importante e reconhecida que o Conselho Federal de Medicina certificou e aprovou o método. Nas universidades, essa metodologia também é aplicada, e existe uma disciplina específica sobre telemedicina para os alunos.


Apesar do isolamento social, as pessoas continuam necessitando de ajuda e acompanhamento médico, para serem diagnosticadas ou para manterem seus tratamentos, portanto a telemedicina seria a forma mais segura e eficaz, diminuindo o risco de se expor ao vírus.


Nesse momento é importante ter responsabilidade com a saúde dos nossos pacientes e com a dos médicos também, por isso, o tele atendimento na área da medicina tem sido uma alternativa recomendável. Em diversos segmentos de atuação, as pessoas têm se reunido virtualmente e tentando resolver a situação como podem, com a saúde não deve ser diferente.

INFORMATIVO

Veja Também

19.06.png
Lôgo - Azul-min.png
Imagem3.jpg

 AMIGOS DA

 NOSSA CULTURA