Buscar

E-commerce e os reflexos pandêmicos.

Por Diego Alcantara Pagliosa

- Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

- Pós graduado em Engenharia de Software

- Programador de Sistemas na Siga Cred Administradora Ltda

- Professor Universitário na FAMA – Faculdade Municipal de Educação e Meio Ambiente de Clevelândia/PR.


Diego Alcantara Pagliosa

Com o isolamento social, causado pela pandemia do Covid-19, viu-se a necessidade de uma busca por novas soluções tecnológicas para todos, seja para poder se comunicar com alguém, bem como também para fazer uma simples compra. Dessa forma, o setor do e-commerce cresceu ainda mais do que já vinha crescendo, pois a necessidade de se comprar algo, sem o contato presencial, aumentou. Diante desse cenário, as empresas buscaram soluções tecnológicas para que essa nova demanda. Mas afinal, o que é o e-commerce? E-commerce, ou comércio eletrônico, é uma modalidade de comércio onde os negócios e transações financeiras são realizados por dispositivos eletrônicos, como computadores e smartphones por exemplo, utilizando a internet como canal de venda.


O impacto do isolamento social afetou a todos, e o simples ato de efetuar uma compra tornou-se um risco eminente. Dessa maneira, as vendas online cresceram de forma acelerada nessa época de pandemia, segundo o Compre&Confie, empresa que monitora em tempo real todas as vendas do comércio eletrônico do Brasil. O consumidor constatou que comprar itens básicos como alimentos, produtos de higiene, remédios e ampla variedade de produtos pela internet tornou-se uma opção viável, evitando correr o risco de sair de casa, consequentemente, contribuindo para os cuidados necessários contra o covid19.


Grandes empresas sofreram com um impacto positivo com esse aumento das transações online, e apesar do grande número de demissões, onde só no Brasil foram mais de 1 milhão de postos de trabalhos fechados, também aconteceu novas contratações. A Amazon, empresa de tecnologia e comércio eletrônico, contratou mais de 100 mil colaboradores em centros de distribuição para atender a crescente demanda. Segundo a Microsoft, o uso de seus softwares para colaboração online, aumentaram em 40% em uma semana. Serviços de streaming, como Netflix e YouTube também obtiveram um novo público, já que os cinemas encontram-se fechados.


Essa nova realidade, e o aumento das pessoas trabalhando em home-office, ocorreu um aumento no tráfego de Internet no Brasil, e assim as operadoras constataram que a capacidade das redes não é infinita, e chegaram a pedir o uso responsável pelos usuários, pois em Abril teve um aumento exponencial do tráfego, em que se cogitou a possibilidade de que a malha de rede não daria conta, principalmente em grandes cidades (esse tráfego se estabilizou posteriormente, nos mostrando que a atual malha é capaz de dar conta da atual demanda)


O isolamento social e a pandemia aceleraram a digitalização do comércio, pois já havia o consumo regular, contudo os consumidores conservadores começaram a adotar como hábito a compra online. Com isso, empresas que estavam em processo de transformação, iniciando a entrar nesse mundo virtual, tiveram que acelerar esse processo para não ficarem para trás. Em contrapartida, empresas e comércios mais pequenos, que não possuíam nenhum meio eletrônico de vendas, também começaram a utilizar de aplicativos para tentarem não ficarem esquecidas. Porém, com a seleção natural do comércio, empresas que não conseguirem se modernizar, vão ficando pelo caminho.


Apesar dos impactos negativos causados pelo novo coronavírus, o e-commerce vive uma fase espetacular, crescendo de uma forma acelerada. Com a orientação de ficarem casa, as pessoas estão adquirindo novos hábitos como o costume de viver de forma online, ou seja, conversar mais por aplicativos, comprar mais pela internet e evitar o contato físico.


Mas a indagação que se faz é: Como nossa cidade está utilizando a tecnologia? O que observamos, é que aqui, e na região, os comerciantes estão iniciando a utilizar as tecnologias a seu favor, sejam elas mais simples ou mais complexas, desde uma simples mensagem pelo WhatsApp, utilizado para demonstrativo de produtos através de fotos e até videochamadas, como também para efetuar os pedidos. Além disso, o pagamento via QRCode, que através do smartphone, que efetua a leitura do código e já debita de sua conta, evitando também o contato com a máquina de cartão. Essa opção de pagamento já está disponível em alguns estabelecimentos. A tecnologia vem nos mostrando que é possível nos mantermos em isolamento social, nos permitindo também efetuar transações de forma mais segura e com o mínimo de contato físico. E apesar do distanciamento social forçado, onde a tecnologia era a grande vilã causadora disso, ela vem nos mostrando que esse mal pode ser contornado, se tornando nossa maior aliada para enfrentarmos esses tempos difíceis.

351 visualizações

INFORMATIVO

Veja Também

Imagem1.jpg
09.2020.png
Imagem3.jpg

 AMIGOS DA

 NOSSA CULTURA

logo 2.png