Buscar

“O Agro não para”

Por: Tiago Galina

Engenheiro Agrônomo - CREA/PR - 83.380/D

Consultor Técnico da empresa SERAGRO JT

MBA Gestão Empresarial - FAE (2009-2010)


Tiago Galina

A economia mundial vem atravessando uma crise em vários setores devido ao efeito do Covid-19, porém o agronegócio se apresentou menos impactado e com bons resultados em meio à crise. O que faz com que este setor tenha este reflexo não tão desesperador?

A primeira necessidade populacional é se alimentar, e o sistema de produção do agronegócio brasileiro continua se empenhando em produzir com qualidade e de forma sustentável, sendo fatores determinantes para que este setor não tenha muitas mudanças comparado a períodos de normalidade.



As estimativas da CONAB demonstram justamente esta continuidade em nosso sistema produtivo, divulgando para a safra 2019/2020 uma produção de 248 milhões de toneladas, com aumento de 2,5% da produção comparada a safra anterior. Estes números poderiam ser melhores se as condições climáticas fossem mais favoráveis, como observado no Rio Grande do Sul, um importante estado produtor que enfrentou a mais severa estiagem dos últimos anos, causando redução de mais de 30% da safra gaúcha.


Mesmo no melhor cenário, o agro é afetado por problemas climáticos, barreiras ambientais, situação econômica e política do país, mas além destes obstáculos encontramos também o novo Coronavírus como um desafio.


Em que pese todas estas dificuldades, segundo dados da secretaria de comércio exterior (Secex) do Ministério da Economia, de fevereiro a abril, período que o efeito do covid-19 já apresentava efeitos sobre alguns setores da economia, o agronegócio brasileiro exportou US$ 52,822 bilhões, cerca de um terço do total (US$ 16,438 bilhões) no complexo carne, soja e derivados.


Dados do relatório Focus, do Banco Central, projetam crescimento do PIB da agropecuária de 2,48% enquanto outros setores se retraem até 4%.A insegurança política brasileira fez com o real se desvalorizasse diante do dólar, atingindo valores próximos a R$ 6,00 valorizando as commodities no nosso mercado interno com preços recordes.


O que devemos considerar é que não são apenas commodities que fazem parte do agro brasileiro. Existem outros produtos essenciais em nossa alimentação que estão sofrendo maior efeito do que outras, como o caso da fruticultura e a pecuária de leite.


No artigo “O efeito do Covid-19 sobre a demanda da fruticultura do Vale do São Francisco”, o autor, doutor em economia aplicada e pesquisador da Embrapa João Ricardo F. de Lima, relata esta situação na fruticultura da região abordada, tornando muito complexo o planejamento dos produtores no fornecimento de seus produtos com regularidade em situação de muita variação da demanda.


Com a mudança temporária do hábito da população brasileira, o consumo de frutas tem variado por ser um produto perecível, o consumidor mudou sua rotina de ir as compras porque em período de quarentena não saberia quando retornaria, assim a oferta e demanda passava por períodos de desequilíbrio, e isso fez com que em alguns dias faltassem produtos e logo depois faltavam consumidores, quando os produtores não encontravam compradores para seus produtos.


A produção de leite percebeu variações semelhantes, mas com maiores efeitos negativos, as empresas compradoras, no caso os laticínios, recomendavam aos produtores que diminuíssem a produção no campo e também reduziram 15% no preço do produto in Natura, na qual estava sendo menos requisitada pelo consumidor final e consequentemente menor rentabilidade ao produtor.


O alimento de “todos os brasileiros”, o feijão, sofreu resultados diferentes a estes dois citados acima, uma elevação dos preços pagos ao produtor e consequentemente elevação no valor para o consumidor final. Seu consumo se elevou em meio a pandemia, justamente no período em que a oferta deste produto foi uma das menores dos últimos anos.


Mesmo diante desta realidade, as variações em determinadas atividades do agronegócio nos faz refletir - sobre o quanto é importante este setor para a humanidade.


Somos do agronegócio, somos abençoados por Deus, precisamos produzir com responsabilidade e sabemos que “ao lado do produtor” existem pessoas que dependem do seu trabalho para se alimentar, por isso “o Agro não para”.


Apenas agora durante o período de pandemia, o agronegócio fica reconhecido como “bom menino”, por produzir alimentos e fortalecer a economia brasileira. Até mesmo as acusações responsabilizando este setor como causador dos danos ao meio ambiente não estão mais aparecendo, o que houve com os críticos?


Uma coisa é certa, eles também se alimentam. Acredito estarem conscientes e reconhecer a importância do agronegócio na vida de todas as pessoas, por que ao contrário das plantas, não somos alimentados apenas pela energia solar, por isso que “o Agro não para”.

INFORMATIVO

Veja Também

19.06.png
Lôgo - Azul-min.png
Imagem3.jpg

 AMIGOS DA

 NOSSA CULTURA